A Y L A

Loading

Escolher seu bairro é uma grande decisão em qualquer cidade, por isso, é evidente que é importante que você faça sua pesquisa antes de se mudar. Felizmente, para todos que se mudam para Florianópolis, não faltam ótimas opções. 

Uma delas é o Campeche. Se você é um amante das ondas, fã de terapias holísticas e comida vegana ou simplesmente adora a natureza, continue lendo, o Campeche pode ser o lugar perfeito para você!


UM POUCO DE HISTÓRIA

Primeiramente batizado de Vila do Pontal, o bairro servia de sustento para famílias que viviam na Lagoa da Conceição e partiam rumo ao Sul da Ilha para viver do cultivo de pequenas lavouras. Com o passar dos anos e o crescimento do bairro, a pesca se tornou a atividade principal da região.

E o que é típico de vila de pescadores? Tranquilidade! Embora a praia tenha se desenvolvido e mais de 18 mil pessoas morem na região, ainda é sinônimo de paz e sossego. 

ORIGEM DO NOME

Existem duas versões para o nome Campeche:

  1. Pode parecer história de pescador, já que remete a um visitante ilustre: Antoine de Saint-Exupéry. Sim, o escritor francês de O Pequeno Príncipe pousou na região na década de 1920 quando por ali era o pouso de aviões na ilha. O bairro é cheio de homenagens a ele, inclusive a principal avenida leva o nome do livro. A lenda diz que Campeche surge do nome que o visitante costumava chamar o lugar: Champ et Pêche, ou seja, Campo de pesca. 
  2. A primeira versão é sim muito romântica, mas a ilha em frente a praia já tinha este nome desde o século anterior. A razão se dá pela planta medicinal pau-campeche (Hematoxylon campechianum) família das Fabraceae, utilizado também para tinturaria que como o pau-brasil foi buscada no início da colonização.
O Novo Campeche possui empreendimentos em loteamento de alto padrão

¨NOVO¨ CAMPECHE?

Pouco tempo atrás, o Campeche foi alvo de investimentos imobiliários e a construção de inúmeros prédios de até 3 andares, de acordo com o Plano Diretor. Por ser diferente do cenário de casas da outra parte do bairro, a região norte do Campeche – próxima à Lagoinha Pequena, em direção ao Rio Tavares e à Lagoa, recebeu o nome de Novo Campeche.

Com empreendimentos de alto padrão, ruas largas e aslfatadas, o Novo Campeche é um loteamento aberto, planejado e arborizado, com estacionamentos amplos e segurança privada 24h, além de comércios como padarias, boutiques, escolas de yoga, etc. Com fácil acesso à praia, o local têm sido o point dos últimos verões.

PERTO DE TUDO

Centro: 15 km. É a  praia mais próxima do Centro. 
Aeroporto Internacional Hercílio Luz: 15 km.
Lagoa da Conceição: 11 km.

OS POINTS DO CAMPECHE

  • Pico da Cruz: Mais na região do Rio Tavares, entre o Campeche e a Joaquina, a cruz de cimento de mais de 2m metros que dá nome ao local é uma homenagem ao padre e professor Alfredo Dullius que morreu afogado em 1961. Desde então, o local virou ponto de referência e também de lendas na região. Frequentado por surfistas e banhistas, o local tem restinga preservada, uma pequena trilha que dá acesso à praia e uma paisagem linda.
  •  Lomba do Sabão: Se você surfa, precisa pegar ondas ali. Você já até deve ter ouvido falar ou viu a movimentação de pessoas exibindo seus trajes de neoprene pela zona. Há diversas escolas de surf e pessoas que não surfam mas curtem o estilo de vida. Fica bem em frente à Ilha do Campeche.
Lomba do Sabão atrai surfistas do sul da ilha – Foto: Anderson Coelho/ND
  • Praia do Riozinho: O lugar descolado do sul de Floripa recebe este nome por ter um pequeno rio que desemboca no mar. Onde as redes de futvôlei observam corpos sarados e tatuados, esta parte da praia recebe programações que vão desde campeonatos de surf até shows nacionais. O ¨Point do Riozinho¨, bar à beira-mar, é cenário perfeito para que a curtição role solta bem estilo pé na areia.

COMÉRCIO E SERVIÇOS

O Campeche é esse tipo de bairro onde você consegue fazer de tudo, tipo mini-cidade, sabe? Possui infraestrutura de comércios e serviços completa: postos de saúde, bancos, farmácias, escolas, restaurantes, padarias, cafés, bistrôs, além de alternativas como feirinhas, centro cultural, lojas de produtos naturais, etc. 

É possível dar um mergulho antes de ir ao trabalho de bike e emendar um barzinho perto de casa no fim do dia. Tudo isso sem mudar de bairro… Já pensou?

ONDE COMER E BEBER

A diversidade gastronômica e de lazer do Campeche é sem dúvida aquilo que traz um pouco de ¨magia¨ ao bairro. Há feirinhas de alimentos orgânicos onde você compra do produtor local, além de bistrôs com produtos artesanais, padarias, food trucks… 

É clima de cidade pequena, combinado com a natureza exuberante e acesso fácil às comodidades de uma capital. Deixamos aqui abaixo algumas opções famosas para comer e beber com variedade no Campeche:

Mercado Sehat , O Pátio Biergarten e Quintal de Casa

BELEZAS NATURAIS

  • Praia do Campeche

De areia clara e fina e água cristalina, o Campeche possui águas geladas e agitadas, ponto positivo para quem surfa. Em seus 5km de extensão, possui zonas protegidas por areia e vegetação, adicionando ainda mais beleza e tranquilidade à praia, o que atrai a população ¨hippie¨ e jovem à região.

  • Lagoinha Pequena

A lagoa que já foi maior, hoje ainda é visitada e possui muitos peixes – atração para pesca. Há quem se arrisque a nadar e navegar nela, mas a maioria se contenta em aproveitar a área arborizada com bancos e iluminação, construída recentemente. Está localizada na Avenida Campeche.

  • Ilha do Campeche

Destino conhecido por suas águas cristalinas, a Ilha do Campeche é atração também para aqueles que curtem desbravar trilhas, em busca de novas paisagens ou inscrições rupestres. São permitidas até 800 pessoas por dia, por isso uma boa dica é iniciar o passeio na primeira hora da manhã, para garantir lugar no barco, que leva em torno de 1 hora para chegar lá. 

Os barcos para a Ilha do Campeche saem da Praia da Armação, da Barra da Lagoa ou da Praia do Campeche. Outra dica é levar água, protetor solar, um lanche (não conte com a infraestrutura de restaurantes) e, claro, não esquecer um snorkel e a gopro para curtir a água transparente.

Piscinas naturais na Ilha do Campeche pelas lentes de Rodrigo Soldon

PRA QUEM É DO ESPORTE

Além de trilhas, o Campeche atrai surfistas profissionais e é ideal também para o kitesurf. Nos esportes aquáticos ainda está a opção de chegar à Ilha do Campeche em jet ski, com kitesurf ou stand up paddle. Para quem tem mais fôlego pode ir nadando, o total é de 1,5 km de travessia. Ainda na praia, é possível aproveitar as redes para jogar futevôlei e bastante espaço de areia para o frescobol.

E o bairro do Campeche ainda é delimitado pela Lagoa do Peri, ao Sul, e pela Lagoinha Pequena, ao Norte. Locais de beleza incomparável, ideais para um piquenique ou uma caminhada. Para quem curte andar de bike, também pode fazer Cicloturismo na região – para saber mais, clique aqui.

TRILHAS

Para quem gosta de estar mais próximo à vegetação nativa e encontrar paisagens lindas no meio de uma caminhada, refrescar-se em cachoeiras e fontes d’água e até reviver o passado com sítios arqueológicos, o Campeche contempla muitas opções de trilhas.

Coloque na mochila sua água, protetor solar, um lanche, repelente e claro, muuuita disposição!

Trilha do Morro do Lampião

  • Início da trilha: Servidão Brasiliense, acessada pela Rua Pau de Canela
  • Extensão: 1.800 metros, com quase todo percurso feito de subidas íngremes
  • Tempo aproximado: 40 minutos
  • Dificuldade: média

O caminho começa num terreno de areia e logo praticamente todo de mata fechada. Preste atenção na bifurcação: à esquerda, você encontra a famosa Pedra do Urubu – com vista para o Campeche, leste e sul da Ilha. Se seguir no caminho à direita, a outra pedra tem vista para o Campeche, Rio Tavares, Carianos, Costeira e Saco dos Limões. 

Curiosidade: a origem do nome faz referência aos lampiões usados pelos locais para orientar os aviões que pousavam ali entre 1920 e 1930. Entre eles, o aviador e escritor Exupéry, como já contamos aqui em cima.

A subida e a vista de tirar o fôlego da Trilha do Lampião

Trilhas da Ilha do Campeche

No paraíso que é a Ilha do Campeche, há seis trilhas de todos os tipos.  Atualemente uma delas está fechada para o público, mas as outras cinco podem ser visitadas com a presença de  um monitor ambiental do Iphan. A manutenção das trilhas exige de R$ 10 a R$ 25 por pessoa, mas vale à pena. 

– Trilha da Pedra Fincada

  • Dificuldade: baixa
  • Tempo aproximado: 30 minutos

A trilha leva até um dos pontos mais altos da Ilha do Campeche, cuja pedra Fincada possui 9 metros de altura. De lá do alto, é possível ver a parte oeste e leste da ilha.

– Trilha do Letreiro

  • Dificuldade: média
  • Tempo aproximado: 1 hora

O percurso íngreme em meio à vegetação nativa dá acesso ao maior sítio arqueológico da Ilha: são mais de 40 inscrições rupestres. Entre elas, a famosa “Máscara Gêmea”, um tipo de inscrição na pedra rara no mundo e que concedeu à Ilha o tombamento como patrimônio arqueológico. 

A “Máscara Gêmea” , importante inscrição rupestre da Ilha do Campeche

– Trilha da Pedra Preta do Sul

  • Dificuldade: média
  • Tempo aproximado: 40 minutos

Nesta trilha é possível ver a parte leste da ilha num visual recheado de Mata Atlântica. Do mirante é possível observar as ilhas costeiras, como Moleques do Sul, Xavier e Aranha. Para presentear o final do caminho, também há inscrições rupestres.

– Trilha da Pedra da Vigia

  • Dificuldade: alta
  • Tempo aproximado: 40 minutos

A Pedra da Vigia leva este nome porque lá ficava encarregada uma pessoa para observar o mar e avisar qualquer movimento para a caça de baleias. Hoje a pesca é proibida, mas o caminho mantém as ruínas de fornos e extração de óleos de baleias, além de um sítio arqueológico. É possível avistar toda a costa sudeste de Florianópolis, como Matadeiro, Lagoinha do Leste e Joaquina. 

– Trilha da Volta Norte

  • Dificuldade: alta
  • Tempo aproximado: 2 horas

O caminho passa o costão norte da Ilha, no Saco do Rosa, Pedra Fincada e um costão com nove inscrições rupestres no chão. O percurso leva também à Pedra Preta do Norte, um sítio arqueológico com 20 inscrições, e à Pedra do Ímã, que tem uma sinalização sobre uma pedra que é capaz de desorientar bússolas. Depois de um percurso cansativo, você chega à Praia da Enseada, que é composto por um sítio arqueológico com cinco oficinas líticas com diferentes amoladores em granito e basalto.

– Trilha Caverna dos Morcegos

  • Dificuldade: alta
  • Tempo aproximado: 3 horas

Esta é a sexta trilha da Ilha e que possui visitação proibida por tempo indeterminado para recuperação ambiental. Em meio à vegetação nativa até a costa sudeste da ilha, a Caverna dos Morcegos é uma formação rochosa que forma um abrigo com área de aproximadamente 15 por 30 metros. Pra chegar até a caverna é preciso seguir por uma trilha dentro da Mata Atlântica. O encontro das pedras forma lindas piscinas naturais com água cristalina e peixes coloridos.


Aqui encerra nosso tour de vizinhança pelo Campeche. Se natureza, comida saudável, uma cena jovem vibrante, esporte e feirinhas orgânicas é parecido com seu estilo de vida, comece a procurar seu lar em www.useayla.com

No Comments

Leave a Comment